Era Lauritzen: comerciante trouxe o trem e governou a cidade por 19 anos

Ninguém ficou mais tempo no poder em Campina Grande do que Cristiano Lauritzen. O comerciante dinamarquês foi prefeito da cidade durante 19 anos ininterruptos e só saiu do cargo quando morreu, em 1923, aos 76 anos. A principal marca da gestão de Lauritzen foi a chegada do trem ao município em 1907, impulsionando a produção de algodão na região e alavancando o desenvolvimento econômico do município.

Lauritzen foi nomeado prefeito em 14 de novembro de 1904. Ao assumir o cargo, solicitou a doação do terreno onde seria construída a estação de trem e os armazéns e obteve a autorização da Comissão Provisória, que substituía o Conselho Municipal. A meta era atrair o prolongamento da estrada de ferro. Mas a articulação para trazer a linha férrea a Campina Grande começou muito antes dele chegar à prefeitura. Cristiano foi pelo menos duas vezes ao Rio de Janeiro, então capital do Brasil, pleitear a obra junto ao governo central. Voltou à Paraíba acompanhado de engenheiros para estudos preliminares.

Era preciso um pouco de pressão política para que o sonho da linha férrea se tornasse realidade. “Havia muito jogo político nesse sistema, o que deixou muitas cidades prejudicadas”, explica o historiador Gervácio Batista, professor da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). Lauritzen usou sua influência junto a lideranças políticas da Paraíba com prestígio na capital, já que era aliado de Venâncio Neiva e Epitácio Pessoa.

Por outro lado, enfrentava problemas na política doméstica e teve dificuldade em obter maioria no Legislativo municipal. É o que aponta o relato de Elpídio de Almeida. “Só duas vezes conseguiu eleger maior número de correligionários para o deliberativo municipal, não pôde imprimir à administração o cunho de desenvolvimento que projetara. As suas mensagens ao Conselho, solicitando meios para realização de obras, eram arquivadas”, afirmou em livro sobre a cidade.

Mesmo assim, Lauritzen conseguiu resistir e se manteve no cargo apesar das constantes mudanças no governo estadual. Durante seu longo mandato, passou por oito diferentes presidentes do Estado, sendo reconduzido para o cargo por todos eles. A longevidade da gestão era algo raro numa época em que o mandato de prefeito não tinha tempo determinado e a nomeação era por livre escolha dos governantes estaduais.

Sucessores
A influência de Lauritzen foi decisiva na escolha dos prefeitos que o sucederam. Ele foi substituído interinamente por um de seus seguidores políticos, o major Juvino de Souza do Ó, nomeado prefeito pelo presidente do Estado, Sólon de Lucena. O filho de Cristiano, Ernani Lauritzen, assumiria então a prefeitura em 1924 aos 37 anos de idade. Ele era professor e jornalista, atuando no “Correio de Campina Grande”, publicação criada por seu pai que circulou de 1911 a 1928. Ernani também exerceu os cargos de deputado estadual (1920) e membro do Conselho Municipal (1924). Morreu em 1955, aos 69 anos de idade. Após deixar o cargo, Ernani deixou na prefeitura outro aliado político. O subprefeito José Ferreira de Melo foi nomeado prefeito em 13 de dezembro de 1928, mas ficou apenas dois meses no cargo.

Uma resposta para Era Lauritzen: comerciante trouxe o trem e governou a cidade por 19 anos

  1. milena says:

    obg mim ajudou muito

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *